quarta-feira, 4 de março de 2009

Resumo | Big Kings - parte2

Gucci
Dessa vez as passarelas de Gucci tiveram um nome preciso: Tina Chow, famosa modelo dos anos 80. Para ela e pelo seu prazer de dançar a designer, Frida Giannini, se inspirou para sua coleção do inverno 2010. “Tudo parte de uma idéia. De frente a um momento de crise é preciso se divertir.” Os paetes devem brilhar lá onde não tem mais sorrisos, as pernas nuas devem correr de cápra lá e os vestidos devem ser curtos reduzindo os custos de produção...tudo isso respirando um certo ar de inconsciencia, tipica dos anos 80. O mundo esta rolando ladeira abaixo?!? Andiamo a ballare, bella!
Numa passarela que mais parecia uma discoteca, os conjuntos são masculinos, enxugados e retos, com tecidos trabalhados ou cheios de glitter. As botas-leggings com saltos-altissimos e cintas de couro. As estampas a pois, verde e preto ou azul e preto. Tubinhos curtiiiiiiiiiiiiissimos, cheios de paetes que mais parecem uma cachoeira de brilhos. Assim é a moda de Fridda: veloz, desejável, uma segurança no seu modo de ser sempre rok’n’roll.





Dolce & Gabbana
Domenico e Stefano resolvem fazer doinverno 2010 uma folia, uma festa. O desfile deles é uma homenagem as Diva dos anos 40, mulheres fatais que tem mais personalidade que seus homens, cartoons como Minnie. Tudo é jogado em preto e branco, a coleç ão é complexa, forte e voluntariamente exagerada. Talvez, esse tenha sido o modo deles para ironizar o periodo sombrio do fashion system.
Certamente, o desfile deu o que falar e a dupla mesmo em tempo de crise tem coragem de arriscar. Mas, fazem falta os antigos defiles em que eles sabiam tranformar as exigências reais das mulheres em roupas sexy, desejáveis e copiáveis justamente porque eram simples .

Um comentário:

Everton Oliveira disse...

Achei Dolce & Gabbana a grife de mais diferença em todos estes últimos desfiles que estamos vendo, ela foi meia revolucionária no volume e nas referências que eram milhares, eu amei!