segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Accessoires et objets, témoignages de vies de femmes à Paris 1940-1944

Se você estudou um pouco sobre história da moda, ou simplesmente sobre a história do século XX provavelmente você leu sobre as francesas que durante todo o período de escassez na 2ª guerra mundial pintavam a marca da meia-calça na perna... Então provavelmente você compreenderá minha emoção ao encontrar um pote desta tinta e um vídeo ensinando a usar essa "meia-pintada".Por isso eu recomendo uma visita ao Musée Jean Moulin e a exposição accessoires et objets, témoignages de vies de femmes à Paris 1940-1944. Uma viagem no tempo ao universo feminino durante a ocupação alemã em Paris.As fotos são penosas, fotografar estava proibidíssimo, e deixo aqui meu manifesto! Se não existe um catálogo, se o acervo pertence a outros museus, como somente pelo direito de imagem das peças não é permitido fotografar.???? Fotografei sim(!!!!), sem flash para não danificar as peças!!!! E deixei uma reclamação por escrito! Chapéus, bolsas, sapatos ... Estes acessórios de moda são apresentados com fotografias, revistas de moda, cartazes, canções música e documentários. Com toda uma cenografia que te faz mergulhar nesses anos escuros mas com soluções criativas para a moda.
De 1940 a 1944, os parisienses estão se adaptando às condições impostas pela ocupação e pelo governo de Vichy: esperando por horas em filas na porta de lojas, aguentando o frio ao mover-se por Paris. No entanto, a vida continua: cinemas e teatros, únicos lugares aquecidos, nunca foram tão populares. Confrontado com restrições, os parisienses voltaram todo seu engenho na arte de recuperação, substituição e truques, como designers, artesãos e produtores. Se multiplicam as invenções e se adapta a produção para a escassez de madeira (substituídas por compensados, aglomerados e cortiça). A utilização da fibra como o rayon , materiais incomuns nos chapéus como papel de jornal, madeira ou utilizadas reciclando pneus e couro quando necessários.

Em um momento histórico onde impera a a falta de materiais e onde havia uma grande restrição quanto a compra de tecidos , os acessórios tomam um papel de destaque. As plataformas são altas, decoradas, extravagantes. Os chapéus e os turbantes cobriam cabelos que já não passavam com frequência nos salões de beleza da capital.

O acessório tem um papel significativo na sua função e seu simbolismo político. Instrumento de propaganda de Vichy (retrato Petain é estampado em um lenço na cabeça), também é usado pela resistência em suas ações (bolsa com fundo duplo para esconder os folhetos). A moda acompanha a vida diária parisiense, nos momentos trágicos e na explosão de alegria da libertação.Reciclar foi uma das palavras chaves deste período, um terno velho masculino pode se transformar em uma jaqueta feminina e um longo de noite pôde ser um bonito vestido de dia mais curto e com uma fita de algodão . Todo tipo de fibra servia para tecer, e claro que o tricô e o patchwork eram duas técnicas fundamentais. Até 15de novembro de 2009
Mémorial du Maréchal Leclerc de Hauteclocque et de la Libération de Paris – Musée Jean Moulin
Jardin Atlantique (atrás da gare Montparnasse)
23, allée de la 2ème DB – Paris 15e
métro Montparnasse-Bienvenüe, Gaîté, Pasteur
Entrada 4€

2 comentários:

Carol Fernandes - São Paulo disse...

Incrível!
bjos

Lissandro Silva - São Paulo disse...

Deu vontade de ver d epertinho tambem!
Valeu.
Bjo